Retalhos

AQUARELA - Wooden Spools I - Amy Elise Neer

Não houve metades, coisa que as colchas de retalho não conseguem explicar. Houve, sim, tormentos. A ventania acenando através das cortinas florais, as flores lacrimejando nos retalhos das mãos. E tudo tão sutil dentro de mim, como um cheiro de chuva saindo de um bule velho.

Aqueles abraços, de tão meus, tem deixado espaços por dentro. Ainda sinto o eterno, que agora tem andado por aí vagando e buscando abrigo em mãos vazias. Sim, ainda sinto tudo, mas não de todos.

Descobri que sou nascido como de um par de cicatrizes, como um orvalho formado em bouquet de espinhos. Nasço feliz, como criança que acorda de um cochilo. Carrego alegre meus brinquedos e o horizonte costurado em mim.

João Romova


 AQUARELA – Wooden Spools I – Amy Elise Neer

Anúncios

4 pensamentos sobre “Retalhos

  1. Ah João… Eu paro de escrever minhas meninices, passo a escrever sobre minha vida na terra do primo Obama pra acalmar o coração da minha mãe falando de cotidiano e dizendo nas entrelinhas “Ei Mãe, relaxa que eu tô bem” e ainda assim você não foi embora… Obrigada (mesmo!) pelas palavras de hoje, viu! Beijo grande!

    Curtir

  2. De tudo nada me trouxe uma impressão tão forte quanto o nascer feliz, como criança que acorda de um cochilo – carregando alegre os brinquedos e o horizonte que foi costurado em si.

    É isso. É assim.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s